ORGANIZAÇÕES GLOBO: MANTENEDORES DA ESCRAVIDÃO

7 08 2011

A anos e anos eu venho falando das Organizações Globo, mas hoje eu não estou afim, só quero reproduzir o post a seguir, extraído do blog http://roteironews.blogspot.com , escrito e mantido por Fernando Marés de Souza. Direi só uma única coisa: Eu tenho nojo da Globo… e sempre terei. Hipócritas maquiavélicos de plantão. Filhos da ditadura, mantenedores da escravidão.

Segue:

As Organizações Globo publicaram com alarde em todos os seus veículos um documento onde delineiam os “os princípios e os valores que regem o jornalismo feito por suas empresas de comunicação”.
O documento foi recebido com ironia, ceticismo e críticas nas redes sociais, alcançando rapidamente os “trending topics” do Twitter.
Blogueiros especulam que a divulgação do documento veio em resposta às acusações do jornalista Rodrigo Vianna – ex-funcionário da Globo – de que a direção da emissora emitiu ordem expressa para que seus jornalistas atacassem o novo Ministro da Defesa Celso Amorim. 
O ceticismo e as críticas são baseadas no histórico do conglomerado de mídia, e a ira e ironia dos internautas é pautada principalmente pela eterna proteção ao presidente da CBF Ricardo Teixeira – através do conhecido espiral do silêncio – que acusado de corrupção pela BBC inglesa, desdenhou dos veículos que repercutiram a notícia afirmando que só ficaria preocupado “quando sair no Jornal Nacional”. Obviamente o Jornal Nacional nunca mencionou as acusações. O silêncio da organização sobre as denúncias contra Teixeira pode ser conferido com uma simples busca aos termos “CBF + corrupção + Ricardo Teixeira” no portal de informações do conglomerado.
As ligações de Teixeira com a Globo são estreitas e antigas e as críticas ao monopólio exercido pela Globo na transmissão do futebol brasileiro recorrentes, porém recentemente uma nova denúncia grave surgiu: as Organizações Globo receberam 30 milhões de recursos públicos dos cofres da Prefeitura e do Governo do Rio através de sua subsidiária Geo Eventos para organizar o sorteio das preliminares da Copa mês passado. A escolha da empresa foi feita pelo Comitê Organizador Local, presidido por – surpresa! – Ricardo Teixeira.
Com interesses econômicos diretos na Copa do Mundo do Brasil, o jornalismo da Globo também faz vista grossa para as crescentes denúncias de violação de direitos humanos e ilegalidades cometidas na remoção de famílias para construção de infra-estrutura do evento, relatadas inclusive pela ONU.
É interessante notar que na mesma edição do Jornal Nacional que anunciou os tais Princípios Editoriais, seus jornalistas descumprem flagrantemente o que está escrito no documento. Em uma matéria sobre a presença de veneno em merenda escolar no RS, a âncora Fátima Bernardes afirma: “Está foragida a merendeira que pôs veneno de rato na comida de crianças e professores de uma escola pública de Porto Alegre” – enquanto mostra a foto da acusada na tela.
Mas como pode a jornalista afirmar como fato algo que ainda não foi comprovado? A merendeira é SUSPEITA de ter colocado veneno, ACUSADA de ter colocado veneno, Fátima Bernardes não pode apresentar como fato que a “merendeira pôs veneno de rato na comida de crianças”. Mesmo que haja uma suposta confissão da merendeira, o advogado da acusada afirma que ela não colocou veneno algum e que se apresentará segunda-feira, informação que o Jornal Nacional não traz em sua reportagem. A matéria fere os princípios descritos nos ítens1-v, 1-x, e 1-z dos princípios editoriais, desrespeita o princípio do contraditório e qualquer senso básico de justiça.
A maneira como o jornalismo da Globo lida com suspeitos de crimes é – sob minha ótica – um dos principais desvios éticos da organização. O veículo tem um caráter justiceiro, se coloca acima do judiciário e do devido processo legal, acima do princípio – não descrito no documento da Globo, mas sim na Declaração Universal dos Direitos do Homem – de que todos são inocentes até que se prove o contrário.
A Globo trata suspeitos e investigados como culpados sentenciados, sem autoridade moral ou legal para isso, assume como verdade inequívoca teses não comprovadas de agentes policiais, provocando tragédias como a do calvário do jornalista João Cleves, vítima de uma reportagem sensacionalista do Fantástico em 2001 que – baseado apenas na palavra de um delegado que queria incriminar o jornalista que investigava a corrupção policial – julgou e condenou o réu por antecedência no caso do assassinato de sua esposa. Cleves ficou anos encarcerado, mas posteriormente foi inocentado pelo STF, após intervenção da Comissão Nacional de Direitos Humanos. A matéria do Fantástico havia sido apresentada como prova pela promotoria. O Fantástico nunca se retratou do erro ou citou novamente o nome de Cleves.
Relata João Cleves: “A maldade da polícia, no meu caso, foi reparada pela Justiça, que me absolveu à unanimidade ao acatar a tese de meu advogado de que a arma, apontada pela polícia (e a imprensa que a copiou) como a do crime, fora plantada no local do assalto para incriminar-me. A mesma reparação não tive da imprensa. O espetáculo jornalístico causou um estrago tão grande na minha família que perdi as esperanças de um dia ficar livre desse pesadelo.”
No último domingo uma reportagem de Rodrigo Alvarez para o Fantástico acusava várias pessoas de cometer crimes ambientais na construção de mansões em paraísos ecológicos, a maioria ainda em processo de investigação, mas hipocritamente e de maneira corporativista não citou o caso de um funcionário da casa, o apresentador Luciano Huck, condenado por danos ambientais em sua mansão de Angra e processado por outros crimes ambientais no mesmo imóvel.
Outro caso de hipocrisia, agravado pelo recebimento indevido de recursos públicos, se deu na tragédia da região serrana do Rio. Enquanto os editoriais das Organizações Globo responsabilizavam membros do governo federal e estadual por não terem realizado os investimentos para conter as enchentes, escondiam o fato de que a Fundação Roberto Marinho embolsou parte do dinheiro público do Fundo Estadual de Conservação do Meio Ambiente, que deveria ser destinado para a prevenção de enchentes e contenção de encostas, e usou na construção de um museu na área urbana do Rio.
No quesito “correção”, o documento diz que  “Os erros devem ser corrigidos, sem subterfúgios e com destaque. Não há erro maior do que deixar os que ocorrem sem a devida correção”.
Pois bem, a prática de correção de informações equivocadas publicadas pelos veículos da organização é falha. Quando desmenti sozinho quase toda a imprensa brasileira em fevereiro deste ano no “exposé” investigativo “A verdade sobre o Google e a suposta censura de notícias no Brasil“, relatei que após publicar informações falsas, o G1 publicou uma correção que a Agência Estado enviou aos seus clientes depois de alertada pela minha reportagem, mas mantém até hoje a página original sem correção e sem nenhum aviso que as informações ali publicadas não são verdadeiras, e esta página original foi (e ainda é)  usada  como fonte para corroborar uma informação falsa. Na prática, continua publicando mentiras. O Blog do Noblat, publicação que faz parte das Organizações Globo e que também reproduziu a informação falsa, nunca se seu ao trabalho de corrigi-la e mantém a informação falsa no ar

Outra vez fica claro que o documento das Organizações Globo é apenas uma vaga declaração de intenções, e não um código de conduta.
Uma afirmação do documento que chega a provocar risos é a de que “As Organizações Globo são laicas”. Isso vindo de uma emissora que transmite a “Santa Missa” católica nas manhãs de domingo – sem ônus para o Vaticano – e que trata como fato o “milagre” de Irmã Dulce.
Oremos…

Fernando Marés de Souza

Leia (ou assista) também:

Rede Globo lança Código de Ética e o descumpre numa mesma edição do Jornal Nacional
“Para que melhor se exerça a democracia”: a declaração de princípios da Globo, em 1989
Chico Bicudo: Globo passa recibo para a blogosfera
O dia em que o jornalismo das Organizações Globo ficou melhor que Zorra Total
Princípios editoriais das Organizações Globo, comentados por um “jurista” sujo
Vídeo: Cid Moreira lê a carta “direito de resposta” de Brizola!
Vídeo: Muito Além de Cidadão Kane

 


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: