MULHERES GORDAS GOZAM: CONTRA A GORDOFOBIA!!!

16 08 2013

O texto abaixo foi postado no Blog “Guia Erógeno” e é mais uma ferramenta na luta contra a GORDOFOBIA, tão presente (mas pouco falada) em nossa sociedade. Precisamos cada vez mais fortalecer todas as lutas que caminham em prol de libertar os seres humanos das amarras da ignorância dos velhos padrões emburrecedores e que são impostos pelos formadores de opinião ligados ao poder e ao mercado. Não precisamos de padrões de nada, seja de beleza, peso, raça, credo, , sexualidade, classe social… deixa isso pra quem gosta de viver como rebanho, nós não aceitamos e nem aceitaremos esses paradigmas, CHEGA!!!

Segue:

gorda

MULHERES GORDAS GOZAM

Há muitos clichês e estereótipos a respeito da sexualidade humana. Na maioria das vezes, isso acontece porque a sociedade confere valores e características distintas para descrever a vida sexual de cada indivíduo com base em sua aparência física. É praticamente impossível evitar a representação sexual que a mídia vincula a todo instante. Esse fenômeno tem um efeito especialmente devastador sobre as mulheres, que são sexualizadas em todos os veículos de comunicação e se veem obrigadas a se enquadrar em um padrão de beleza inalcançável. Mas enquanto é verdade que as mulheres são as maiores vítimas da hiperssexualização, há mulheres que são completamente desassociadas de sexo, exceto para efeito cômico: as mulheres gordas. Diferente de mulheres magras, altas e esbeltas, mulheres gordas são tidas como infelizes, “encalhadas” e frustradas sexualmente; isso quando não estão constantemente correndo atrás de algum homem que aceite se relacionar com elas, ou quando não são “lésbicas por falta de opção”.

Estar fora do padrão de beleza, muita vezes incompatível com o nosso estilo de vida, não é fácil. Pessoas consideradas “feias” sofrem uma série de adversidades, sendo frequentemente consideradas más, sujas, burras e doentes e constantemente negadas de oportunidades. Quem está fora do alvo padrão nunca é levado em consideração em nenhuma esfera da sociedade, que é pensada estritamente para pessoas magras e “bonitas”. Quem é gordo tem que enfrentar dificuldades com roupas que não cabem, cadeiras frágeis, elevadores com baixo limite de peso e catracas minúsculas, para mencionar alguns problemas. E da mesma forma que a sociedade não lembra, nem se importa com o bem estar das pessoas gordas quando constrói assentos, poucas pessoas lembram que gordo também transa quando o assunto é sexo. Esse problema é ainda pior com mulheres gordas, que, sendo mulheres, já são um alvo direto da misoginia e impedidas de uma liberdade sexual plena.

É interessante perceber que a palavra “sexo” muitas vezes não tem o mesmo significado que originalmente deveria ter. O sexo é uma das ferramentas de propaganda mais poderosas da atualidade; muitas vezes, a idéia concebida de sexo entre pessoas bonitas, jovens e bem-sucedidas acaba tomando o significado da palavra mais do que a atividade sexual em si. Nesse sentido, uma transa deixa de ser somente um ato prazeroso entre duas ou mais pessoas, mas se torna também uma forma de medir valor. Não é à toa, então, que mulheres gordas – uma imagem totalmente oposta à glamourização do sexo – sejam vistas como pessoas que não transam. A sociedade simplesmente não consegue conceber que uma mulher gorda, a antítese do considerado belo e bem-sucedido, possa ter uma vida sexual ativa. Mas a idéia de que pessoas fora do padrão não transam é totalmente equivocada.

Mulheres gordas também fazem sexo de qualidade e são plenamente capazes de conhecerem seus corpos e preferências sexuais. Não importa o seu tamanho ou peso, todo mundo pode ter qualquer orientação sexual, nível de libido ou fetiches, sem qualquer correlação com o seu suposto nível de “beleza”. Sexo não é algo reservado para os belos e ricos e sim algo natural do corpo humano. Assim como todas as pessoas comem e dormem sem que para isso precisem ser magras, todas as pessoas têm o potencial para transar, sentir e proporcionar prazer. Se dadas a oportunidade, a grande maioria das pessoas se masturba, muitas delas com sex toys ou fantasiando com idéias inconvencionais. Se uma mulher gorda transa com alguém, não é por falta de opção, assim como para essa pessoa se relacionar com uma mulher gorda não é um ato de caridade. O sexo praticado por mulheres gordas não é inexistente, ao mesmo tempo que também não é uma categoria diferente de sexo.

É preciso compreender que o desejo sexual por mulheres gordas não existe apenas como forma de fetiche, mas pode acontecer naturalmente como para qualquer outra pessoa. É possível se apaixonar e sentir tesão por mulheres gordas, não somente por seus corpos e características físicas, que podem ser considerados atraentes, mas também por sua personalidade, inteligência e caráter. A sexualidade é, afinal, muito diversa. O sexo é algo natural e comum a todos, independente dos padrões. Todas as pessoas podem desejar fazer sexo e ter uma vida sexual plenasem serem escrachadas por sua aparência. No final do dia, um orgasmo bem sentido não faz distinção de corpo: mulheres gordas gozam – e gozam muito.

Fotografia por Heather Kolaya Photography


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: