O CASÓRIO DA REALEZA BRITÂNICA: E ASSIM CAMINHA A MÍDIA E O TELESPECTADOR BRASILEIRO…

29 04 2011

Reproduzo aqui post de Altamiro Borges, ou Miro, extraído do blog http://altamiroborges.blogspot.com

Nem vou perder meu tempo escrevendo sobre tamanha futilidade e inutilidade para nós, brasileiros… aliás, isso tudo é a cara da mídia brasileira. Ao invés disso, reproduzo artigo do Miro, que já diz parte do que eu penso sobre o assunto.

E só pra constar, reproduzo tweet da Santasticaa, que diz muito em poucos caracteres:

“Na boa já cansei desse papo de casamento real, real é mesmo o povo que casa em casamentos coletivos pq não tem grana, #realidade“.

Segue post:

Por Altamiro Borges

A busca por audiência não deve ser a única justificativa para a overdose midiática na cobertura do “Casamento Real”. Revistonas dão capas melosas para a união do príncipe William com a “plebéia” Kate. Jornalões gastam papel com fofocas e futricas. O pior, porém, ocorre nas emissoras de televisão – em todas elas, sem exceção. Blocos e blocos nos telejornais para divulgar banalidades.

A mídia corporativa parece adorar a vassalagem. É servil diante das monstruosidades imperiais dos EUA, assim como é vassala diante da monarquia decadente da Grã-Bretanha. A mídia dominante reproduz a ideologia das classes dominantes. Criminaliza os pobres e reverencia os ricaços – inclusive as ostentações e sandices da decrépita “família real”.

Monarquia decadente e parasitária

Na difusão dos valores “morais” da aristocracia, a imprensa sensacionalista deixa de lado até as agruras do capitalismo no país. No primeiro trimestre deste ano, o PIB britânico cresceu apenas 0,5% – após uma contração, também de meio por cento, nos últimos três meses de 2010. Milhões de trabalhadores estão sem emprego e salário, mas a mídia só fala no tal “casamento real”.

A decadente monarquia agradece tanta vassalagem. Com as festanças, ela tenta sair do atoleiro. No ano passado, a “família real” foi obrigada a cortar 12,2% das despesas oficiais com sua vida parasitária. Mesmo assim, a realeza custou mais de 46,1 milhões de euros para os contribuintes britânicos – seis vezes mais do que outra monarquia decadente, a da Espanha.





E SERGIO AMADEU TOCA A FLAUTA MÁGICA QUE MEDE NÍVEL DE TRANSFORMAÇÃO…

5 03 2011

Salve!!

Esses dias fui num debate primordial p/ o Brasil: sobre liberdade na rede e distribuição de banda larga p/ todos. Foi muito bom, mas ainda falta muita gente da sociedade civil acompanhando e lutando pelos seus direitos.

No vídeo a seguir vc assiste o papo que tive com Sergio Amadeu, ativista digital e professor universitário, sobre a piada de mau gosto que é o serviço de “banda larga” que grandes companhias oferecem, cobrando valores muito altos… falamos também sobre a publicidade mentirosa veiculada na mídia e por fim, o mais especial do vídeo: Sergio Amadeu toca a flauta mágica que mede o nível de transformação de diversas áreas até aqui, nesse caso da questão digital no Brasil… assistam!!!

E vcs, o que acham a respeito do serviço de banda larga no Brasil e em relação ao acesso para todos???

CarlosCarlos Bola & Arte





E A REDE GLOBO PEDE ÁGUA NA DISPUTA DAS TRANSMISSÕES DE FUTEBOL…

26 02 2011

É, meus amigos… e parece que a Rede Bobo tá pedindo água na disputa das transmissões dos jogos de futebol… pra quem não sabe, a Record entrou na briga de vez, causando um rebuliço no sistema viciado e querendo competir naquilo que a Rede Bobo mais ama: a grana. E parece que dessa vez ela não vai ter bala pra competir.

Com tudo isso, o Clube dos 13 rachou, uns apóiam o velho sistema, outros não, enfim, o fato é que vários interesses estão rolando e na minha opinião esse rebuliço é necessário e essencial.

O que me chama a atenção é como esse domínio da Globo se arrastou por tanto tempo, como uma questão tão óbvia no que diz respeito a monopólio de mercado, a prioridades guardadas por baixo do pano, maracutaias e conchavos políticos, como isso mudou tão pouco até agora. Esse é o Brasil (até agora).

Que o futebol “globalizado” está 99% mercantilista, isso não se discute… que a Tv no Brasil, apesar de sua “concessão pública”, prevista inclusive em constituição, só pensa em lucros e dividendos e não tá nem aí pro povo, é outra coisa que não se discute… mas, será que não se discute?? Porque sei lá, lendo o comunicado da Rede Bobo a respeito do episódio, não é isso que parece, leia esse trecho:

Assim é, em respeito ao interesse do público, que a Rede Globo se sente impedida de participar desta licitação e pretende manter diálogo com cada um dos clubes para chegarmos a um formato para a disputa pelos direitos de transmissão que privilegie a parte mais importante desse evento: o torcedor”.

Eu fico realmente bobo de ler algo assim. Será que alguém ainda acredita nisso?? Acredita que a Rede Bobo está preocupada com o torcedor??? Será que ainda tem gente acreditando que ela é boazinha e se preocupa com o “bem público”?? Será que levam a sério o slogan “Um caso de amor com vc, um caso de amor com o Brasil…”??? É de chorar…

E mesmo com tudo isso, com a Globo dizendo que vai desistir do osso, ainda custo a acreditar… por enquanto vou só observando e torcendo pra que essa antiga ladainha se desfaça.

Logo abaixo disponibilizo um comunicado do site da Globo.com (http://globoesporte.globo.com), onde a Rede Bobo jura que ama o torcedor e que preza por valores, éticas e blá-blá-blá… só não sei porque até agora não se preocuparam… como estão vendo que estão perdendo o osso, querem se fazer de beatos e assim tentar levar o povão pro seu lado, sei lá. Isso só tem um nome: H-I-P-O-C-R-I-S-I-A. E da pesada.

E logo após o texto, disponibilizo o documentário “Fut-Mídia S/A”, lançado em 2005, o qual fui diretor, e que aborda dois blocos com os conhecidos jornalistas e comentaristas futebolísticos falando sobre o monopólio da Globo no futebol e a questão do horário dos jogos… vale a pena assistir.

**Esse trecho do doc acontece no seguinte timecode: 24min55seg – Mas se vc ainda não assistiu o documentário na íntegra, não vacile, assista que vale a pena.

CarlosCarlos Bola & Arte

Primeiro o texto da Globo, segue:

25/02/2011 20h03 – Atualizado em 25/02/2011 22h01

Rede Globo está fora da licitação de direitos de transmissão do Brasileiro

Em nota oficial, empresa diz que condições impostas são incompatíveis para o modelo de TV aberta e pretende dialogar com os clubes

Por GLOBOESPORTE.COM Rio de Janeiro

A Rede Globo anunciou, de forma oficial, que não participará da licitação dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro de futebol dos anos de 2012, 2013 e 2014. O comunicado, emitido na noite desta sexta-feira, também diz que a empresa pretende dialogar com os clubes para chegar a um formato de disputa pelos direitos de transmissão.

De acordo com a nota, a Rede Globo acredita que o modelo proposto na carta-convite enviada pelo Clube dos 13 inviabiliza ‘qualquer perspectiva de um retorno compatível com os investimentos na compra dos direitos’.

Além da Globo, o Clube dos 13 também convidou Bandeirantes, Record, SBT e RedeTV a tomarem parte da licitação. A carta-convite com as condições da licitação foi enviada na quinta-feira, dia 24 de fevereiro.

Leia, abaixo, o comunicado da Rede Globo na íntegra.

Os dirigentes efetivamente preocupados com os legítimos interesses dos seus clubes e, acima de tudo, os torcedores são testemunhas dos volumosos investimentos que a Rede Globo tem feito ao longo desses anos, numa parceria pelo aprimoramento do nosso futebol, na busca de um espetáculo emocionante, com profissionalismo e qualidade.

Essa contribuição tem se traduzido no crescimento das receitas dos clubes, não só através das receitas obtidas com a venda dos direitos de transmissão, bem como com a comercialização de outros direitos, incluindo propaganda nos uniformes e publicidade nos estádios.

As exigências e modificações nos conteúdos das plataformas implicam na desestruturação de um produto complexo, que foi construído ao longo dos últimos 13 anos, inviabilizando assim qualquer perspectiva de um retorno compatível com os investimentos na compra dos direitos.

As condições impostas na carta-convite não se coadunam com nossos formatos de conteúdo e de comercialização, que se baseiam exclusivamente em audiência e na receita publicitária, sendo incompatíveis com a vocação da televisão aberta que, por ser abrangente e gratuita, é a principal fonte de informação e entretenimento para a maioria dos brasileiros.

Assim é, em respeito ao interesse do público, que a Rede Globo se sente impedida de participar desta licitação e pretende manter diálogo com cada um dos clubes para chegarmos a um formato para a disputa pelos direitos de transmissão que privilegie a parte mais importante desse evento: o torcedor.

Agora assista ao doc “Fut-Mídia S/A”:

E vc?? Qual a sua opinião em meio a esse imbróglio todo???





GLOBO X RECORD – MONOPÓLIO EM QUEDA???

7 02 2011

Reproduzo artigo do Blog do Miro (http://altamiroborges.blogspot.com), escrito pelo próprio Miro.

Surge nas transmissões de futebol, essa mina de grana, a possibilidade de quebra de mais um monopólio que a Rede Globo exerce no país… e que o gigante caia de vez!!!

 

Futebol acirra disputa Globo X Record

Por Altamiro Borges

Uma das maiores minas de ouro da televisão, o Campeonato Brasileiro de Futebol, está sendo palco de uma encarniçada disputa entre as principais emissoras do país. A TV Globo, que faz fortuna com a “preferência” na transmissão, corre sério risco de perder a monopólio que mantém desde os tempos sombrios da ditadura militar. A TV Record, sua principal concorrente, lidera um grupo de emissoras que se insurgiu contra este privilégio. A decisão sobre esta guerra fratricida deve sair nas próximas semanas.

Mudanças das regras no Cade

As redes de televisão têm cerca de 20 dias para entregar as propostas oficiais de exibição dos campeonatos de 2012 e 2013 para o Clube dos 13, que reúne os principais times de futebol do país. De acordo com as regras fixadas em agosto de 2010 pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a Globo perdeu a “preferência” no direito de transmissão do torneio. Agora, todas as emissoras podem concorrer em pé de igualdade, embora nem todas tenham os recursos necessários para bancar tal empreitada.

As novas regras dividiram os cartolas do Clube dos 13. Alguns times defendem uma fórmula mais lucrativa de transmissão dos jogos, com a quebra do monopólio. Outros temem que o fim da exclusividade reduza o número de anunciantes e dos recursos em publicidade, e resulte em perda de audiência. A pressão da TV Globo para manter seu privilégio tem sido brutal, o que levou a Record, que também disputava a exclusividade, a propor que todos os canais se unam e comprem os direitos em conjunto.

A ousadia da TV Record

A transmissão ficaria a critério de cada emissora participante do “pacote”, assim como poderia ser alterado o horário das partidas – hoje submetido à ditadura da Globo, que penaliza os amantes do futebol. Segundo boatos, a famiglia Marinho está desesperada com a possibilidade de união das concorrentes. Seus prepostos já tentaram “seduzir” alguns dos insurgentes, mas esbarraram em dificuldades. TV Bandeirantes e RedeTV sinalizaram certa simpatia com a proposta mais “equitativa” da Record.

A rede de Edir Macedo, como de costume, não está brincando nesta disputa. Especula-se que a Record possa oferecer de R$ 750 milhões a R$ 1 bilhão pelos direitos do Campeonato Brasileiro 2012 e 2013. A emissora já tem a exclusividade da transmissão dos Jogos Pan-Americanos, em 2011, e das Olimpíadas de 2012, em Londres. Caso vença a parada, será um duro golpe no monopólio exercido durante décadas pela ex-poderosa TV Globo. A briga é encarniçada. Tem muita grana em jogo nesta contenda.

E vc, o que acha?? O torcedor não deveria ser mais respeitado em seus direitos e não somente como potencial consumidor???

 

 





A PSEUDO-MODERNIZAÇÃO DO FUTEBOL BRASILEIRO E OUTRAS BARBARIDADES…

13 12 2010

E aí camaradas e camaradas!!!

Mais um vez através desse vlog, vamos reproduzir e dar valor a ANT – Associação Nacional dos Torcedores, criada no Rio de Janeiro por Marcos Alvito e que hoje já se espalha por vários estados do Brasil.

Aliás, ontem aconteceu a primeira eleição da ANT, onde a Chapa 1, justamente a do Marcos Alvito e das pessoas que eu coligo em pensamento e ação, ganhou da Chapa 2, um movimento (se é que podemos chamar assim) ridículo e reacionário surgido de um indivíduo que mostra as garras do “outro lado” da sociedade brasileira, mal-intencionados e elitistas ao extremo. Mas enfim.

Reproduzo aqui um ótimo texto escrito pelo Marcos, que discorre sobre a pseudo-modernização dos estádios brasileiros, bem como a elitização extrema do futebol brasileiro, da expulsão do povo pobre dos estádios e do monopólio midiático em torno do futebol, realizado a décadas pela Rede Globo de Televisão, entre outros fatos importantes e iminentes.

Mais abaixo disponibilizo pela segunda vez o vídeo que eu gravei na reunião da ANT-SP, com o Marcos Alvito.

CarlosCarlos Bola & Arte

Segue o texto:

“Aos Ricos o Futebol”
Por Marcos Alvito, antropólogo, professor da Universidade Federal Fluminense – UFF e criador da ANT.

Os sinais estão por toda parte. Em 2005 o Maracanã fechou a geral, talvez o setor popular mais famoso do mundo, onde durante meio século floresceu uma cultura torcedora lúdica e carnavalesca. Em seu lugar foram colocadas cadeiras de plástico com preço seis vezes maior. O Maracanã, antes “o maior de todos”, vai virar um estádio para 76 mil pessoas. Esse encolhimento – que ocorrerá também nas dimensões do gramado – custará aos cidadãos “apenas” R$ 1,2 bilhão. Com a reabertura do estádio, calcula-se que os ingressos custarão pelo menos o dobro do que custam atualmente.

Recentemente realizou-se no Rio a Soccerex, feira internacional centrada no futebol-negócio. Nela, “especialistas” afirmaram que doravante o futebol brasileiro terá a classe A como clientela alvo, deixando de lado as classes B e C. Porque as D e E há muito não sentam em uma arquibancada. É claro que o evento foi financiado com dinheiro público. Em Santa Catarina, o Avaí aumentou em 50% o preço dos ingressos neste ano, passando de R$ 40 para R$ 60. No Paraná, o recém-promovido Coritiba já anunciou que aqueles que não aderirem a seu plano de sócio torcedor terão que desembolsar R$ 100 pelo ingresso avulso. Não é de se admirar que a média de público do campeonato brasileiro em 2010 tenha sido ridiculamente baixa: 14.839 pagantes. Isso é menos que a média do campeonato alemão da segunda divisão!

Não é o preço do ingresso o único fator para o afastamento do público. Hoje os estádios viraram estúdios para um show televisivo chamado futebol. No estádio-estúdio do Engenhão, que custou aos cofres públicos três vezes mais do que previa o orçamento, placas de publicidade impedem a visão de boa parte da linha de fundo, inclusive da linha do gol. Ingressos para esse setor “pagando pra não ver” custam, em jogo normal, R$ 30. A tabela do campeonato é alterada de uma semana para outra, modificando dias e horários sem respeito pelo torcedor. A rede de TV que monopoliza as transmissões há décadas transformou o futebol em sobremesa da novela, com jogos no meio da semana terminando por volta de meia-noite. Essa mesma rede é dona do pay-per-view, que a cada dia dá mais lucro. Ou seja: ela praticamente obriga os torcedores a se transformarem em telespectadores dos canais pagos.

Esse processo de expulsão dos torcedores mais pobres (ou menos ricos) é algo planejado e consciente. Ainda em 2004, o então presidente do Atlético Paranaense já afirmava que “o clube não precisa mais de torcedores, e sim de apreciadores do espetáculo”. Dentro dessa filosofia, proibiu a entrada de torcedores com bandeiras, tambores, faixas e camisas de torcidas organizadas. Por baixo de uma “nuvem midiática” vendendo a ideia de que estaria ocorrendo uma modernização do futebol brasileiro, o dinheiro do cidadão pobre financia, via impostos, sua própria expulsão. É um processo de Robin Hood ao contrário…

Chamar o futebol brasileiro contemporâneo de moderno, aliás, é piada de mau gosto. Por um lado temos uma estrutura política feudal mantida há décadas nos clubes, nas federações estaduais e na CBF. Por outro, o capitalismo selvagem na hora de extorquir os torcedores. A junção do atraso com a falsa modernidade é desastrosa.

Existe algo mais arcaico e tradicional que a venda de ingressos? Como vão sempre parar na mão dos cambistas? Será que as rendas reais são mesmo aquelas? Será que as gratuidades são mesmo aquelas? É um sistema obscuro que beneficia sempre os mesmos: empresas que fabricam os ingressos (e fazem adiantamentos aos clubes, presos a elas do mesmo modo que à televisão) e, mais uma vez, cartolas corruptos.

Por falar em polícia, qual é o principal instrumento de policiamento dos estádios? Investigação? Inteligência? Aparelhos sofisticados de filmagem? Acertou quem respondeu o cassetete, usado desde o Paleolítico. Em vez de prender e processar a minoria ínfima de torcedores que vai ao jogo para brigar, a polícia prefere bater. Desde quando o bom e velho porrete é sinônimo de modernidade?

A parte menos moderna, todavia, é o sistema de formação de jogadores. Milhões de jovens brasileiros sonham ser jogador de futebol. Poucos vão se tornar profissionais e, entre estes, pouquíssimos vão ganhar os altos salários que povoam o imaginário das classes populares. A formação de um jogador profissional demora em torno de 5 mil horas de treinamento em dez anos. Os clubes exploram essa mão de obra infantil sem nenhuma responsabilidade. Se o garoto de 11 ou 12 anos se machucar ou se não “servir” mais, o que ocorre? É simplesmente abandonado. Para onde vai? O Estado zela por ele? Regulação por parte do Estado, proteção aos jovens, preparação para a vida futura com ensino profissionalizante, nada disso ocorre.

Debaixo da bruma marqueteira que exalta a pseudomodernização assistimos a um processo de elitização perversa do futebol brasileiro. Perversa porque financiada com dinheiro do povo. Uma arte e cultura popular criada e mantida por gerações de brasileiros é saqueada em benefício de poucos. É o primeiro mandamento do futebol-mercadoria: dai aos ricos o futebol.






POLÍCIA OU LADRÃO????? DEFENSOR OU INVASOR?????

29 11 2010

Ronai Braga, morador da Vila Cruzeiro, acusa a polícia do Rio de ter arrombado sua casa e levado R$ 31 mil, veja o vídeo:

Curiosidades minhas: Rede Globo, vc vai apurar os fatos pra ver se isso realmente aconteceu??? Ou isso mancharia a imagem dos “heróis da nação”, que estão adentrando os morros, bravos e destemidos, arrombando casas sem mandato judicial???

** No twitter do Tulio Vianna (@tuliovianna), bio-professor de direito penal da UFMG, doutor (UFPR) e mestre (UFMG) em direito e blogueiro, foram postadas as seguintes mensagens:

1 – A imprensa é chapa-branca da polícia? Falam que vão revistar 30.000 casas e ninguém pergunta se eles têm mandado judicial pra isso?

2 – É pedir muito que algum jornalista – desses profissionais, com diploma – indague sobre a existência de um mandado pra revistar as casas?

3 – Se algum juiz deu um mandado de busca coletivo pra 30.000 residências, precisa reler o art.243, I, do CPP, com urgência: http://is.gd/hUMh1

Tem alguma coisa errada, não???

CarlosCarlos

 





A GUERRA NO RIO EM APENAS UMA IMAGEM

29 11 2010

Tá difícil de falar alguma coisa sobre a situação no Rio de Janeiro. E por estar complicado e denso, vou expressar meu maior sentimento em relação a tudo isso através de uma foto-charge que achei na internet, que na minha opinião expressa algo que talvez não resuma tudo o que está acontecendo, mas que diz demais sobre a cara do Brasil: desigualdade social histórica e mídia altamente tendenciosa.      CarlosCarlos

Charge: Latuff

Fonte: Blog do Miro (http://altamiroborges.blogspot.com)